Sex, 27 de novembro de 2015, 04:43

Flora de Sergipe
O projeto

Apresentação


A série Flora de Sergipe (FloSe) apresenta em seu primeiro volume, sob a forma de monografias botânicas, cerca de 25% do número estimado para a flora vascular do Estado. São 494 táxons distribuídos em 151 gêneros, reunidos em quase 40 famílias de Angiospermas.


Este livro representa a divulgação de um conhecimento até então pouco difundido no meio acadêmico, já que muitas das espécies monografadas não haviam sido incluídas na Lista de Espécies da Flora do Brasil como presentes no estado de Sergipe. É um avanço considerável se pensarmos que há alguns anos o Herbário da Universidade Federal de Sergipe (ASE) era um dos menores do país.

Atualmente, o ASE é um herbário dinâmico e frequentado periodicamente por pesquisadores em busca da qualificação taxonômica da flora sergipana e, consequentemente, da região e do país. O acervo do ASE reunia a essa época cerca de 28.000 espécimens catalogados e disponíveis na base de dados on line SpeciesLink e que são oriundos das diversas formações vegetacionais ocorrentes no estado e inseridas na matriz de Mata Atlântica e Caatinga.


A construção do volume 1 da Flora de Sergipe, iniciado através de parcerias e financiamentos diversos, contou com uma equipe de colaboradores brasileiros e estrangeiros oriundos de diversas e renomadas instituições com atuação em taxonomia de plantas. Foi a partir da dedicação de quatro profissionais, baseados na Universidade Federal de Sergipe, Universidade Estadual de Campinas e Universidade Federal de Pernambuco, que uma ideia almejada por diversos grupos de pesquisa foi transformada em livro. Além de contar com uma equipe local de apoio para o manejo do acervo do herbário ASE e incremento significativo das coletas no Estado, a equipe de organizadores contou com a colaboração de cerca de 50 taxonomistas que monografaram os táxons e outros 60 que se dispuseram a revisar e agregar qualidade aos produtos elaborados por seus pares ao longo dos dois últimos anos. Ao final, foram cerca de 130 profissionais do Brasil e do exterior, doutores, doutorandos, mestrandos, biólogos e graduandos, que coletivamente construíram esse sonho que aqui temos o orgulho de apresentar.


Ao longo dessa jornada, novas espécies para ciência foram descobertas e inúmeras novas citações para Sergipe foram catalogadas e estão agora disponibilizadas para consulta. Táxons considerados raros localmente e ameaçados de extinção tiveram suas populações reconhecidas e recursos humanos no Estado foram qualificados na pesquisa em taxonomia vegetal.

Os organizadores da FloSe optaram pelo arranjo mais atual de famílias de Angiospermas (APG III) assim como pela inclusão, para os casos de famílias altamente diversas no estado, de monografias de gêneros selecionados (por exemplo: Convolvulaceae, Euphorbiaceae s.s., Malvaceae s.l., e Poaceae). Merece destaque, as famílias com elevado número de espécies e que estão aqui disponibilizadas, como Apocynaceae, Cyperaceae, Lentibulariaceae, Myrtaceae, Orchidaceae e Passifloraceae s.l. Tão importantes quanto são as famílias, que apesar de menos diversas são relevantes pela caracterização de fitofisionomias locais como as Dioscoreaceae, Erythroxylaceae, Krameriaceae, Loasaceae, Marantaceae, Marcgraviaceae, Rhizophoraceae e Typhaceae; pela interação com a guilda de polinizadores e dispersores como Aristolochiaceae, Amaryllidaceae, Combretaceae, Costaceae e Oxalidaceae; ou ainda por suas peculiares estratégias biológicas como as Balanophoraceae, Burmanniaceae, Gentianaceae e Viscaceae, entre várias outras. É com esse conjunto de valiosos dados que apresentamos à sociedade sergipana e àcomunidade botânica, o primeiro volume da série Flora de Sergipe.


Atualizado em: Sex, 26 de maio de 2017, 15:56
Notícias UFS
Avaliação
UFS é destaque no Enade 2016
Enfermagem e Nutrição (ambos de Lagarto) e Fisioterapia (Aracaju) obtiveram nota máxima; veja nota de outros cursos