Apresentação

O Herbário ASE

Herbário é um conjunto de espécimes vegetais que, prensados e secos, são dispostos segundo a sequência de uma classificação taxonômica (no caso do Herbário ASE o APGIII) e podem ser utilizados como referência a outros estudos científicos.

A principal função de um herbário é abrigar fragmentos ou amostras da biodiversidade vegetal. Os herbários são exemplos de bancos de plantas preservadas, sendo eles, responsáveis por fornecer informações sobre a diversidade e distribuição geográfica das plantas (Peixoto, A.L. & Morim, M.P. 2003). Eles servem de documentação de pesquisas botânicas, especialmente taxonômicas e florísticas. Para obter informações sobre reconhecimento (identificação), nomenclatura, classificação, distribuição e ecologia de qualquer planta, são necessárias análises precisas de cada exemplar, o que seria muito difícil de ser realizado em campo. A investigação taxonômica se baseia, então, em coleções de plantas, construídas e preservadas ao longo do tempo nos herbários. Além da importância para a taxonomia, mais recentemente os herbários passaram a ser reconhecidos como instrumentos essenciais para pesquisas genéticas e agronômicas, em que as exsicatas documentam a variabilidade amostrada. Os herbários também podem servir de base para elaboração de floras e estudos de biodiversidade, fornecendo dados que permitem a criação de subsídios para indicação de áreas a serem preservadas e auxiliando ainda na recuperação de áreas degradadas.

O Herbário da Universidade Federal de Sergipe (ASE) foi fundado em 1975 e encontra-se lotado no Departamento de Biologia, no Campus de São Cristóvão. Atualmente reúne uma coleção com mais 35.000 exemplares entre Angiospermae, Gimnospermae, Pteridophyta e Algas, além de uma carpoteca anexa. É referência no Estado como depositário da diversidade botânica, decorrente de projetos pessoais ou institucionais, levantamentos florísticos, atividades didáticas e projetos realizados por profissionais de diversas áreas do conhecimento. A maior parte do material é oriunda de coletas no estado Sergipe, mas também recebe exemplares de outros estados e regiões brasileiras, principalmente da região Nordeste. Desde 2008, seu acervo se encontra informatizado e atualmente 96% dos seus dados está inserido no BRAHMS, possibilitando a divulgação da diversidade florística existente em Sergipe através da disponibilização “in situ” e “online” no SpeciesLink.

Referência

Peixoto, A.L. & Morim, M.P. 2003. Coleções botânicas: documentação da biodiversidade brasileira. Ciência e Cultura 55(3): 21-24.